Perigos dos ebooks da Amazon na época do coronavírus

Vários livros sobre o COVID-19 surgiram na Amazon desde que o vírus eclodiu.

Eles variam de livros infantis a cartilhas sobre doenças infecciosas, a elaboração de teorias da conspiração a diários supostamente escritos por pessoas infectadas a artigos de notícias plagiados.

A explosão instantânea desses livros e ebooks em apenas alguns meses mostra como o serviço de autopublicação da Amazon (o KDP, Kindle Direct Publishing), mudou fundamentalmente a maneira como os livros são produzidos e os riscos envolvidos na geração instantânea de informações.

De certa forma, o KDP está funcionando exatamente como deveria. Mas o COVID-19 também expõe os perigos de um modelo do tipo “clique para publicar”, que pode ser uma dor de cabeça para os leitores e para a Amazon. Distinguir o que é bom, o que é falso e o que é plagiado leva tempo. Pressionar um simples botão de “publicar”, não.

Antigamente, levava um ano para obter o primeiro rascunho de um livro para publicação. Agora leva algumas horas.

Os autores e autoras apenas enviam um documento e ele está pronto para venda nos sites da Amazon.

E como a Amazon não precisa arcar com os custos iniciais, como marketing ou edição, a KDP oferece aos autores melhores royalties e paga mais rapidamente. Para autores menos conhecidos, isso pode ser um grande atrativo.

A Amazon permite que as pessoas publiquem rapidamente, e com isso surgem riscos claros para o oportunismo.

E os riscos são especialmente altos quando se trata de algo tão sério quanto as informações de saúde pública. Não existe um editor (a menos que os autores contratem um) e não, muitas vezes, não há um processo de revisão.

Os maiores riscos quando é fácil publicar são que o livro fornecerá informações falsas.

De fato, muitos dos títulos sobre o coronavírus que surgiram nas últimas semanas eram notavelmente enganosos ou de baixa qualidade.

Por isso, na quarta-feira, a Amazon pareceu remover silenciosamente alguns dos títulos mais duvidosos.

Mesmo alguns dos livros e ebooks que continham informações corretas eram problemáticos, porque foram plagiados de sites de notícias.

Às vezes, o conteúdo é plagiado palavra por palavra. Outras vezes, os plagiadores fazem o download dos ebooks, convertem-nos em PDF e, em seguida, inserem esses documentos em um software que reorganiza algumas das palavras para fazer com que o documento pareça original. Pode ser difícil identificar a diferença.

As diretrizes da Amazon proíbem “conteúdo infrator ou ilegal”, e a empresa garante que já havia removido vários livros que violavam essas regras.

Resumo
Perigos dos ebooks da Amazon na época do coronavírus
Título do Artigo
Perigos dos ebooks da Amazon na época do coronavírus
Descrição
Dezenas de livros da COVID-19 expõem os riscos de um modelo do tipo "clique para publicar", que pode ser uma dor de cabeça para os leitores e para a Amazon.

Comente